A Voz do Silêncio

Poema e voz de Euclides Cavaco



Silêncio triste
Das horas introversas e caladas
Marcadas no relógio de emoções.
Tua voz 
São memórias magoadas
Plenas de melancolia
E frívolas recordações !…

Silêncio errante
Simbiose de sofrimento e de tortura
Das noites infinitas e infelizes.
Tua estranha voz
É a imagem cruel e escura
De estigmas incuráveis e eternas cicatrizes.

Silêncio constrangente
Que mistério há no teu vazio desmedido
Abstrato de sentido e copioso de fragilidade.
Tua ousada voz
É o iludir fingido
De essências sequiosas de realidade,

Silêncio taciturno 
Perdido no tempo dos dias em vão vividos
Que magoas sem remorso ou compaixão.
Silêncio penoso
De tantos momentos idos.
Tua voz
É apenas
Um amargo soluçar de solidão!…

 Autor: Euclides Cavaco