TRANSCENDÊNCIAS
Poema e voz de Euclides Cavaco



Quando tanjo o infinito
Sobre a Existência e o Ser
Paro no tempo e medito
Quão ínfimo é meu saber.
Vejo a minha inteligência
Pequenina e limitada
E apreendo que a ciência
Do Além não sabe nada !...

Mas existem convencidos
Do Além algo saber
Passando a vida iludidos
No seu mero pretender.
Descrente sou quando alguém
De tal saber se enaltece
Quando ao certo do Além
Nada mais que nós conhece.

Os que tentam descobrir
Qual a origem da vida
Rendem-se e vêm cair
Sempre ao lugar da partida.
Nossa humana condição
Não nos permite entender
A sublime Criação 
Transcende o nosso saber !...

Euclides Cavaco