TOQUE DAS TRINDADES
Poema e voz de Euclides Cavaco

 


Este belo pergaminho
Por Portugal inteirinho
Em aldeias e cidades
Tem tradição secular
À noitinha o badalar
Na velha torre as trindades.

Após o Sol se esconder
Pertinho do anoitecer
Da torre ressurge enfim
Os sinos em melodia
Anunciam mais um dia
Que afinal chegou ao fim.

Todo aquele que tem fé
Para ali firme e de pé
Vai terminar sua lida.
Quando trindades bater
É hora de agradecer
Por mais um dia de vida.

Pára quem está ausente
Dentro de si inda sente
Em qualquer parte onde esteja
Uma certa nostalgia
Não ouvir ao fim do dia
Os sinos da sua igreja !…

Euclides Cavaco