Temperança

poema e voz de Euclides Cavaco



Não se deve amar demais
Pode causar sofrimento
Nascem sempre vendavais
Quando há excessos de vento.

Quando o amor faz sofrer
Na vida desilusões
É talvez por se exceder
Em supérfluas paixões.

Tem que haver moderação
Sem ser amor doentio
E na sua dimensão
Ser perene como um rio.

Quando o amor é traído
Tal traição pode gerar
Num coração que é ferido
Motivo para odiar.

Nunca deixes que o ciúme
Controle todo o teu ser
Cala na alma o queixume
Por amor sabe sofrer.

Ama como se algum dia
Tu tivesses que odiar
Faz do ódio ironia
Podes voltar inda a amar !...

Euclides Cavaco