Perfume de Fado

Poema e voz de Euclides Cavaco



Passeei os meus versos pela mão
Pelos bairros dessa Lisboa velhinha
P´ra que sentissem do fado a emoção
E respirassem o perfume que ele tinha.

Ao passar pelas vielas perguntaram
Se fora ali que morou o velho fado
Vendo as relíquias que do fado ali ficaram
Como padrões a atestar o seu passado.

Nossa Lisboa ao ver-nos, feliz ficou
Tomou connosco café no velho Chiado
Na mesma mesa onde Pessoa o tomou.

Eu e os meus versos pelos bairros lado a lado
Vimos que o tempo do fado pouco levou
Porque 'inda hoje qualquer bairro cheira a fado!...

 

Euclides Cavaco