M O L I C E I R O
EX-LÍBRIS DA RIA
Poema e voz de Euclides Cavaco



Ó esbelto moliceiro
Padrão da Ria de Aveiro
Hoje dela quase omisso
Qual airosa embarcação
Que marcou a tradição
Na colheita do moliço.

Foste da Ria o arado
Que assegurou no passado
A muitos lares o sustento
Com os recursos da Ria
Que o homem em ti trazia
E transformava em provento.

Tuas proas coloridas
Com pinturas atrevidas
Ou painéis enternecidos
Eram insígnia notória
Agora apenas memória
Na bruma dos tempos idos.

Existem inda exemplares
Destes barcos singulares
Mitigando a nostalgia
Dedicados ao turismo
São faustoso brilhantismo
Como Ex-líbris da Ria!...

Euclides Cavaco