Moinhos de Portugal

Autor : Euclides Cavaco
Intérprete: Miguel



Meu moinho meu moinho
Que és do tempo padrão
Moendo devagarinho
Pedaços de solidão.

Qual galo de Barcelos 
Devias ser tu moinho
O símbolo da tradição
Do Portugal velhinho.

Lá no alto bem no fim
Dum tortuoso caminho
A dar-nos sinais do tempo
Existe um velho moinho.

Fustigado pelos ventos
De mil eras pergaminho
Numa ânsia de viver
Resiste sempre o moinho.

Trabalhas sempre moinho
Quando o vento por ti corre
Contando horas de mansinho
Num tempo que nunca morre.

As tuas velas são lendas
Reveladas com carinho
Que nunca deixam morrer
O nosso eterno moinho.

Relíquias do pátrio solo
De história bem ancestral
Vivas memórias do tempo
Moinhos de Portugal !…

 

Autor: Euclides Cavaco