Filho da Noite

Poema e voz de Euclides Cavaco

Dizem que o fado é filho
Da noite escura sem brilho
E mora num bairro antigo
Mas ninguém sabe a razão
Se foi destino ou condão
De ali procurar abrigo.

Só quando a noite acontece
E à média luz aparece
P'la guitarra acompanhado
Companheira que também
Lhe imprime o valor que tem
Quando se exibe a seu lado.

E a quem na noite o procura
Encontra nele ternura
No seu silêncio e magia
Sem vaidade e recatado
É esta a estirpe do fado
Puro e cheio de nostalgia.

Teve berço português
Muito nosso mas talvez
Tem fulgente afinidade
É da noite filho errante
A guitarra é sua amante
E é irmão da saudade !…