A M O R A

Aguarela do Tejo

 

Amora tão bela és

Com a baía a teus pés

Ali juntinho ao Seixal

Cidade calma e serena

Tu és como uma açucena

No jardim de Portugal.

 

Tens os teus velhos moinhos

E entre outros pergaminhos

Da mais fina arquitectura

O teu famoso coreto

Quase junto ao Rio ereto

Numa admirável moldura.

 

Toda a zona à beira rio

Dá a Amora garbo e brio

Qual encanto que extasia

Que nos convida ao lazer

E me inspirou escrever

Os versos desta poesia.

 

Como reza a nossa história

Já viste apogeu de glória

Mas inda hoje és estrela

Ó Amora o meu desejo

Era ver-te junto ao Tejo

Pintada numa aguarela !...

 

Euclides Cavaco