Alfama Velhinha

 

 

Aqui na velha Alfama antigamente
Reunia na noite a fadistada
À luz dum candeeiro já dormente
Cantavam até alta madrugada.

Vinham dos outros bairros fazer farra
Cantar em qualquer largo recatado
Trazendo alguns deles a guitarra
P'ra acompanhar na noite o velho fado.

O eco da voz rouca dum rufia
Ali em qualquer largo o povo chama
Apenas p'ra ouvir a melodia
Do fado que se cantava em Alfama.

O fado tal presença aqui marcou
Sem jamais esquecer o seu passado
E o fado para sempre aqui ficou
Porque inda hoje Alfama cheira a fado!...

Euclides Cavaco