ADEUS A UM POETA

 

 

Deixou-nos hoje um poeta

Está de luto a poesia

Emudeceu a caneta

E o estro que a escrevia.

 

Vera dor deixaste em nós

Numa profunda amargura

O calar da tua voz

Deixa mais pobre a cultura.

 

Adeus poeta, partiste

P’ra etérea eternidade

Ficou a poesia triste

Em todos nós a saudade.

 

Do teu vulto fica o brado

De sublime inspiração

Porque o teu nome e legado

Esses jamais morrerão.

 

Este adeus de despedida

É tão só transcendental

Foste embora desta vida

Mas serás sempre imortal.

 

Euclides Cavaco