Docas de Lisboa

Poema e voz de Euclides Cavaco

 

As docas são predicado
Da Lisboa ribeirinha
Como antigamente o fado
Em qualquer tasca Alfacinha.

As docas são um feitiço
Da juventude de agora
Como antes era o castiço
Por essa Lisboa fora.

As docas são um fascínio
A que o Tejo dá Bonança
Onde a noite é o domínio
E a qualquer hora é criança.

As docas são a alegria
Que à noite Lisboa tem
E por perto em companhia
Está a Torre de Belém.

As docas são lugar doce
Para muita mocidade
É quase como se fosse
O ex-libris da Cidade.

Nas docas pode sonhar.
Ver no Tejo inda a canoa
Parar no tempo e ficar
Junto às docas de Lisboa !...

 

Euclides Cavaco