Cortesia Fadista
Poema e voz de Euclides Cavaco



Para ti fadista 
Eu canto neste poema
Os teus dotes sublimes
Por dotares a cada tema
Nessa voz com que te exprimes
Ao fado forma suprema.

Para ti fadista
Nobre talento de alma inteira
Para quem a música e as palavras
São brinquedos
Fizeste da guitarra companheira
Em eternas noites de folguedos.

Para ti fadista
Nesta leve cortesia
Que te presto hoje aqui
Recordo os fados solenes
Como pétalas perenes
Que são pedaços de ti .

Para ti fadista
O meu sincero obrigado
Por deleitares tanta gente
Com teu carisma de artista
E tua voz sapiente
Que tanto honra o nosso fado.

Para ti fadista 
Nesta homenagem merecida
Como poeta altruísta
Rendo o meu preito total 
Por teres dado voz e vida
À canção de Portugal !...

Euclides Cavaco