Contrição

Poema e voz de Euclides Cavaco
 


Vejo o mundo renegar o infinito
Vejo seres mergulharem no abismo
Vejo o bem que existia, ora é maldito
Vejo almas moribundas sucumbindo.

Vejo a luz a cada instante mais escura.
E que os humanos já não são como eram antes
Vejo que cada um cava a sua sepultura.
E que de Deus estão cada vez mais distantes.

Vejo a humanidade em constante frenesim
Vejo o mundo todo inteiro em confusão
Como nunca em toda vida fora assim.

Vejo sinais dos tempos, já sem terem solução
E que o mundo se prepara para o fim.
Convidando o ser humano à contrição!...

Euclides Cavaco