Catarina

Poema e voz de Euclides Cavaco

 

A nossa grande heroína
Que tocou a Pátria inteira
Era uma simples ceifeira
Que se chamou Catarina.

Triste foi a sua sina
Por querer trabalho e pão
Mataram sem ter razão
A infeliz Catarina.

Três tiros de carabina
No Monte do Olival
Marcam o lugar fatal
Onde tombou Catarina.

Maldita mão assassina
Crime hediondo de horror
A fúria dum ditador
Assassinou Catarina.

O Sol jamais ilumina
Esse pedaço de solo
Onde com um filho ao colo
Mataram a Catarina.

Seu nome entre outros culmina
Nas terras de Baleizão
P'ra toda a nossa Nação
Serás sempre a Catarina !...

 

Euclides Cavaco