Nas Asas do Vento
Poema e voz de Euclides Cavaco

Ora brando ora agitado
Nunca se mostra cansado
No seu estranho movimento
Às vezes quase infernal
Transforma-se em vendaval
Em perfil mais violento ...

Soprando com euforia
Quando atrevido arrelia
E despenteia a donzela
Mas no mar já tem vantagem
Ao converte-se em aragem
Faz andar o barco à vela.

O vento pode ser frio
Gelar as águas do rio
E ondular as do mar
Se quente agita decerto
As areias do deserto
Em tempestades sem par.

Se às vezes nos martiriza
Compensa ao dar-nos a brisa
Suave em relaxamento
Ventos que nos dão prazer
De sonhar talvez poder
Voar nas asas do vento !...


Euclides Cavaco